Dicas de snowboard : Viagens

Big thumb logo

Uma Semana de Snowboard em Bansko

8 meses Ago

Localizado a 160 km de Sofia, Bansko tem recebido diversos prêmios internacionais como o melhor ski resort do leste europeu. Neste texto vou relatar sobre minha visão e experiência em seis dias de snowboard na Bulgária. Em Fevereiro de 2016, estive em Spindelruv Mlyn, na República Tcheca por sete noites, escrevi um relato aqui no Zona Radical, e foi seguindo esta lógica e acabei escolhendo Bansko para minhas férias de neve, entre 3 a 10 de Janeiro de 2017. O que me fez tomar esta decisão foram principalmente os comentários sobre o baixo custo de alimentação, hospedagem e ski-pass.

A localizacoa do Bansko

Comecemos então com a passagem

Comprei a passagem de forma não usual, foi através do site: www.maxmilhas.com.br, primeiro comprei só a volta de Sofia a Natal, por R$1.239,00 com taxas, já na ida foi complicado porque queria conhecer outros lugares, mas considero que foram R$2.100,00 se seguir a mesma lógica. Quem mora em São Paulo ou Rio de Janeiro deve conseguir mais fácil, devido a maior oferta de vôo. Você deve estar curioso para saber como chegar a Bansko saindo de Sofia. Pois bem, existem agências que fazem transfer do aeroporto ao centro de ski, uma delas é a Skimania, mas caso você opte por uma forma mais econômica, pode pegar o metrô, já que existe uma linha passando dentro do aeroporto, ligando a vários pontos da cidade, incluindo a rodoviária e estação de trem (ticket custa 1,60 Leva, ou 0,80 Euros). Na época que eu fui tinha três horários de ônibus para Bansko, dois pela manhã e um pela tarde, o custo foi em média 14 leva. É bom saber como se escreve o nome Bansko e Sofia em alfabeto cirílico - Банско, София, porque na rodoviária a informação sobre os horários vai estar em búlgaro, e dependendo da atendente, ela vai te xingar. Mas tem um segredo para isso não acontecer, em algum momento, se eles descobrirem que viemos do Brasil, a conversa muda. Já fui a vários países da Europa, e nunca vi um povo tão apaixonado pelo Brasil como os búlgaros. Chegando a Bansko, não vai ser difícil se locomover, a rodoviária está distante, a 1 km do centro, checando bem no mapa é bom pegar uma das avenidas principais, que é paralela ao rio, é fácil encontrar tudo, além do que, quase todos falam Inglês por lá.

Acomodacao em Bansko

hospedagem e alimentação

Quanto a hospedagem e alimentação, foi um dos pontos mais positivos que posso avaliar, reservei pelo booking.com, o Vien Guest House, um quarto individual, com varanda, um café da manhã farto (comida boa e exótica), aproximadamente dez a quinze minutos da gôndola principal (caminhando), a uns 200 metros do centro “novo” (digo: restaurantes, lojas, câmbio, mercadinho, bares), e paguei somente 105,00 Euros por sete noites. Não procurei hostel porque este já estava tão barato que não vi necessidade. É um meio de hospedagem familiar, os donos não falam bem Inglês, mas são simpáticos e receptivos. Quem está disposto a pagar um pouco mais, deve encontrar ótimas opções sem dúvida. Quanto a alimentação, acho difícil alguém se desapontar, o segredo é escolher os restaurantes que tem o nome “mehana”, isso os caracterizam como comida regional, a maioria tem música ao vivo e os interiores são como se fosse de um museu, jantei em cinco diferentes e gostei de todos, com 13 euros se come bem, mas se pesquisar mais, é possível pagar menos. Já quanto os bares, percebi que muitos restaurantes funcionam como bar/grill, particularmente não gosto dessa combinação, mas existe uma quantidade suficiente para se divertir. O aprés ski fica por conta do Happy End, logo depois das 15 horas, com música ao vivo bem em frente à gôndola e onde termina a Ski Road. É impressionante a quantidade de striptease houses misturadas com os restaurantes e bares, fica difícil acreditar que tem gente suficiente para tirar roupa em todas.

Ski lifts da estacao de BanskoPistas

Então vamos ao ponto principal, o snowboard/ski em si: a minha experiência é pouca, não posso fazer críticas profissionais, mas sem dúvida posso afirmar que o resort oferece uma boa estrutura para a prática do esporte, eu fui afortunado, porque na semana que fui, nevou bastante na primeira noite, foram 35 cm de neve e seguiu nevando quase todos os dias. Eles possuem uma grande quantidade de canhões de neve, sendo assim ninguém perde a viagem por falta de neve. A sinalização é suficiente, e a manutenção das pistas estava boa, só não entendi por que mesmo na alta estação, algumas pistas estavam fechadas. Nos últimos dias não consegui ficar até o final da tarde porque esfriou muito, chegando a -21ºc, até as pistas estavam mais vazias. Para profissionais, acredito que as opções de pistas vermelhas e pretas atendem bem, a quantidade de pistas azuis é menor, mesmo assim não deixa a desejar.

Lifts e gondolas

Se tratando dos lifts, é preciso falar com cuidado, já que algumas pessoas comentam que é a pior parte de Bansko, com filas gigantescas e espera superior a uma hora, e pode ser verdade. Pois bem, eu não tive nenhum problema, pois acordei cedo. Explico qual a origem do problema: Para acessar as pistas, é preciso pegar uma gôndola que saí de Bansko e nos leva até o meio da montanha (20 minutos com uma vista linda da montanha), chegando lá, tudo fica mais tranquilo, já que é a base da maioria dos chairs lifts, o problema é que a gôndola é a opção mais prática para a base da montanha e não consegue atender de forma rápida a todos, mas para quem chega às 8:20, não é um problema como foi o meu caso, já se você acordar um pouco mais tarde e chegar as 9:00 ou as 10:00, pode ter certeza que não vai esperar menos de uma hora. Já o resto dos lifts é tranquilo, nunca esperei mais de 7 minutos. Os lifts estão bem conservados e são confortáveis, com exceção dos “baby drags”, leia-se “evil drags”, devem ser novos também, mas para eu que sou iniciante e ainda mais no snowboard, é um terror. O acesso à montanha pode ser feito de carro também, sem a necessidade da gôndola, mas não é bom arriscar, já que dependendo do tempo, a estrada pode fechar. Na volta, é possível fazer através da gôndola, ou da ski road, que nos deixa até Bansko, é uma pista bastante longa, pouco íngreme, mas se torna perigosa no final da tarde, já que todos estão voltando pelo mesmo lugar, e em alguns pontos, é incrivelmente estreita.

Vamos aos custos?

A moeda da Bulgária é Leva, mas alguns valores aqui estão em outra moeda por questão prática. A forma mais fácil que encontrei de contratar os serviços foi através do aplicativo do www.banskoblog.com, lembrando que pode não compensar caso você for pagar taxas, o melhor é chegar cedo um dia antes e resolver tudo lá. Então seis dias de snowboard foram assim: o aluguel de Snowboard set/botas e capacete me custou 75 Libras, duas horas de aula particular: 51 Libras (foi caro), o ski pass de 6 dias: 124 Libras. Baixei o aplicativo e fiz tudo por lá, quando cheguei na agência (Skimania), já estava tudo pronto, só tive que provar as botas e checar o resto do material. Não esquecendo o seguro que comprei a parte, custou 40 Dólares no World Nomads. Se eu não esqueci nada, o total foi 5.000,00 Reais.

Cícero Alves

1 / 1

Comentários

Propaganda